Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Quando os inocentes pagam pelos pecadores

por Fernando Zocca, em 28.02.13

 


Nesta altura do campeonato pode o meu amigo leitor corintiano estar, preocupadamente, se perguntando: como pode uma torcida inteira, composta por milhões e milhões de fanáticos, pagar pelo erro de alguns poucos mais malucos?


Os mais versados em Direito poriam em dúvida a legitimidade do tal tribunal condenador, argumentando que as penas devem se limitar à pessoa do culpado condenado.


Aliás, quase sempre foi assim. Acontece que no caso da morte do torcedor boliviano, causada pelo disparo de um sinalizador, vindo da torcida alvinegra, a autoria ainda é incerta.


Em que pese a apresentação de um menor de idade, como sendo o autor do crime, teria ainda o organizador da Libertadores respaldo legal para aplicar a pena do estádio vazio a toda a torcida corintiana?


Eu particularmente creio que a punição preliminar, com as suas consequências, não seria imposta, se não tivessem, os julgadores, uma base legal concreta para fazê-lo.


O que não se pode confundir é o Direito Penal e as normas reguladoras deste torneio sul americano.


Apesar de ter havido um crime (homicídio culposo) a autoria do delito deve ser investigada e individualizada, quando então se aplicarão ao culpado, regularmente processado e condenado, as regras do Direito Penal.


Mas veja que não é o nosso Direito Penal. As sanções a serem impostas ao condenado pela morte do menino Kevin Douglas Beltrán Espada de 14 anos, torcedor do San José, na quarta-feira (20/02), em Oruro, são as do Direito Penal Boliviano.


Enquanto isso, como não deixar de crer, mais uma vez, que as crianças e os inocentes pagam pelos pecadores?



Carlão Psiquiatria só sabe que é corintiano. Foto: monitornews.blog


28/02/2013

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:37






subscrever feeds