Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Aprendendo a Dizer Não

por Fernando Zocca, em 11.08.12


O que mais poderia parecer esquisitíssimo do que um sujeito muito nervoso parar um carro velho branco, defronte sua casa e de forma imperativa, tentar vender-lhe um frasco de mel?

- Boa tarde. Fique com esse mel. Só R$20. - ordena o camarada agitadíssimo, colocando a embalagem plástica com o conteúdo suspeito, sobre o portão.

- Não obrigado. – digo-lhe esquivando-me; busco dispensar o chato rapidamente e voltar pra dentro de casa.

- É pra ajudar. Só R$20. Me ajude a comprar um marmitex. Vendi 43 até agora. - insiste o pegajoso num tom de quem ordena.

- Muito obrigado. Não posso comer muito doce. Me faz mal. - defendo-me.

- Só R$20. É pra ajudar a comprar o almoço de hoje. Seu vizinho já comprou. - garante o homem apontando, com o frasco, a casa ao lado.

- Não. Não estou interessado.

A rejeição ao invés de esmorecer o chatoso, incita-o a insistir cada vez mais e mais veementemente. Seu rosto intumescido demonstra que ele pode estar irado, pronto para uma possível agressão.

- Experimente um pouco. Tem 45% de sais minerais e vitaminas essenciais ao organismo. O senhor vai gostar. Abra a mão! - comanda o homem tirando a tampa laranja do vaso.

Constrangido, sem ter mais o que dizer, estendo a mão; ele despeja uma quantidade pequena do líquido viscoso e marrom sobre a palma. Levo à boca e ele então arremata:

- Faço por R$12! Ajude a comprar o meu marmitex de hoje.

Faz parte, há muito tempo, do rol dos meus argumentos finais a alegação da escassez monetária. Então eu mando ver com uma expressão entristecida no rosto:

- No momento estou sem dinheiro.

- Eu deixo por R$10, só pra ajudar. Vai!!!

- Não, muito obrigado. - recuso mais uma vez.

- Pode ficar. É um produto bom. Eu colhi hoje mesmo. - insiste o impertinente. - É só R$10.

- Um momento, por favor. - digo-lhe entrando pra dentro de casa.

- Viu? Faço por R$10 pra você. - matraqueia o camarada às minhas costas enquanto caminho apressado.

Sem me voltar transponho a porta e, na cozinha, encontro a patroa que, assustada, indaga sobre o significado daquele debate, quase duelo, à tardezinha, no interior da garagem.

- O cara quer me vender mel. Você tem R$10? - pergunto.

- Vai comprar mel? Você sabe o que tem no meio daquilo?

- É só pra dispensar o cara. - argumento.

- Deixa comigo. - diz a patroa indo em direção ao teimoso.

Passados alguns minutos a mulher volta com uma expressão de serenidade no rosto.

- E aí? - pergunto.

- Mandei embora. - responde ela com segurança.

- Como você fez? - indago buscando descobrir o segredo.

- Eu disse não. Você tem que aprender a dizer não.

- Aprender a dizer não? - resmungo incrédulo, num tom quase inaudível. - Como é que se faz isso? 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:31


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.







subscrever feeds