Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




As Tranças

por Fernando Zocca, em 28.08.12

 

Sentado sozinho a uma mesa isolada do bar, Van Grogue comia pastel com sorvete.

- Ficou maluco? Ô Grogue, que mistura é essa? - Indagou irônico o Adan Molly que chegava bem entusiasmado ao botequim.

Van  levantou a cabeça e, envergonhado respondeu:

- Você também vai ralhar comigo?

Molly voltou-se para o Maçarico que, alisando o tampo do balcão com um guardanapo, e apontando o Grogue com o queixo, girou o indicador da mão direita na altura da fronte. Quando Molly se aproximou o dono do boteco sussurrou-lhe:

- Depois que disseram que o bilau dele parece sorvete, que quando esquenta amolece, ele ficou assim, meio jururu.

- Que mico hein Maça? - gracejou o Adan.

- Uma verdadeira estilingada no bom-senso.

Adan Molly pegou a garrafa de cerveja e o copo que lhe dera o  Maçarico e caminhou em direção à mesa do Grogue perturbado.

- É verdade que te internaram num manicômio Van?

- Hã hã. - respondeu, envergonhadíssimo, o mais famoso pingueiro de Tupinambicas das Linhas. Então ele continuou:

- Tinha um enfermeiro lá dizendo que ia injetar gás na minha cabeça só pra tirar um raio X. É mole? Ele era malvado. Amarrava-me na cama e punha um soro no meu braço que me fazia sofrer muito.

- Mas por que ele faria mal pra você? - Quis saber o Adan Molly.

- Vingança. Eu fiquei devendo alguns meses de aluguel para outro enfermeiro que era primo dele.

- Nossa! Impressionante. Como é que você descobriu isso tudo?

- Sabe aquela borracha que se usa pra amarrar o braço quando se tira a pressão da pessoa? - continuou o Van choroso.

- A tripa de mico?

- É essa mesmo. Então… O cara esticava e soltava a borracha contra os meus braços e as minhas costas; era cada borrachada que eu vou te contar; doía tanto que eu tinha de sair correndo.

- Mas quem era o enfermeiro? - perguntou Adan Molly bebendo com satisfação a cerveja geladíssima.

- O que me agrediu eu não conhecia. Mas aquele de quem aluguei a casa tinha sido condenado por homicídio. O cara ficou preso durante dois anos. Ele fez um aborto numa empregada doméstica que morreu.   

- Mas por que você alugou a casa justamente do assassino? - indagou Adan Mollly.

- Porque eu não sabia.

- E essa história do bilau?

- É brincadeira. Sou macho pra caramba.

- Será?

Depois que tomou o sorvete, comeu o pastel e ouviu do Maçarico a resposta negativa, para a sua indagação sobre a existência de peixe frito pra vender, Van pagou a conta e saiu do bar.

Ele permaneceu parado no ponto de ônibus por pouco tempo. Grogue entrou no coletivo, pagou a passagem e preguntou ao cobrador se aquele carro passaria defronte ao zoológico.

- Pergunte para o motorista. - respondeu com rudeza, o cobrador.

Grogue então, por causa do ruído do motor, falando em voz alta ao motorista, quis saber se ele pararia perto de um ponto, próximo ao zoológico.

Van desceu e andando duas centenas de metros chegou ao jardim zoológico onde viu a águia, o leão, e o burro.

Depois, caminhando de volta ao ponto de ônibus, viu de longe, que já havia um parado ali.

Ao entrar no coletivo ele notou um pedaço de papelão deixado sobre o primeiro degrau. Não muito distante o motorista falava ao celular:

- Gritou sim. Gritou feio com um colega nosso.

Van desconfiou que aquilo não deixava de ser mais uma trança que se formava à sua passagem.


28/08/2012

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:53


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.







subscrever feeds