Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Sugar

por Fernando Zocca, em 08.10.12

 

Quando temos os braços curtos, as pernas ainda frágeis, pouco podemos fazer diante das situações que não controlamos.

Dessa forma, à mercê dos acontecimentos, não restaria o que fazer a não ser engolir aquilo tudo e, se não vomitarmos, mostrarmos a insatisfação com, no máximo algumas caretas.

Nessa relação, bastante desequilibrada, em que se sobressai o abuso do poderio pessoal, parental, econômico e político, as injustiças são bem graves.

Não existe pra quem reclamar. Nem o bispo resolveria a questão. O que ofertariam as autoridades eclesiásticas em consolo, às vítimas das sandices desbragadas, praticadas por malucos que se valem da maior estatura e peso corporal, na subjugação?

A covardia é um dos componentes formadores da personalidade desses agressores. Pudessem as vítimas reagir prontamente e os aproveitadores afastar-se-iam ainda com as frustrações.

Estar a sós com o bandido, e em franca desvantagem, pode não ser nada confortável. As marcas durarão por toda a vida. Pode até ser que o tempo se incumba de soterrar os mal-estares dos malefícios, mas eles serão inegáveis presenças nas cacholas violadoras.

E depois, quanta safadeza durante o resto da vida, não haveriam de suportar os passivos imberbes, portadores das loucuras dos desnaturados?

Só Deus sabe.

Veja que quando as consequências principiam a surgir na sociedade, correm os "bombeiros" procurando ou "abafar o caso", com promessas vãs, ou buscando compensações de resultados bem incertos.

E o que mais se poderia fazer além de dar graças por ainda estar vivo? 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:09


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.







subscrever feeds