Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Equívocos políticos

por Fernando Zocca, em 09.06.14

 

Em sendo considerada abusiva a greve dos metroviários, a empresa que os emprega, possui agora a legitimidade para as demissões.

Isso tudo porque ninguém, em sã consciência, concordaria em viver, por tanto tempo, no meio aos transtornos. 

Se o motivador dos grevistas - mantedor da postura hostil - é o discernimento sobre os fundamentos que embasariam a legalidade dos atos antissociais, não lhes é claro, as demissões, as multas milionárias e os inquéritos, por desobediência civil, podem ser bem convincentes. 

A aplicação das penas da lei, neste caso, serve de ensinamento do que é certo e errado. 

Nada mais sábio, no presente momento, do que o emprego da "pecunia doloris", ou seja, das penas pecuniárias aplicadas aos sindicatos que, por desconhecimento das regras, ou rebeldia irracional, promoveram esse tremendo bafafá, prejudicando a quem não tem nada a ver com a quizumba. 

Sanções administrativas, fiscais e penais, fundamentadas nos fatos e na legislação vigente, teriam o condão de conduzir à pacificação. 

Essa balbúrdia observada prova que alguma coisa básica, de princípio, de ética, não está bem postada. Algo está em lugar errado e no momento errado.

Água e óleo não se homogenizam; bagunça e progresso são excludentes. 

É claro que as instituições todas dariam o maior apoio à indignação dos grevistas, caso tivessem eles razão. Mas não têm.

Laboram em erro, em equívocos, todos causadores dos danos gravíssimos à sociedade. A legalidade serve para ensinar o que é certo e também o que é equivocado, nessas atitudes diruptivas, ruinosas.

Você, meu querido leitor, não deve deixar de considerar a existência da mentalidade enganosa, confusa, componente da personalidade baderneira de alguns politicos-sindicaistas promovedores desses desarranjos todos.  

Com um bom "pé na bunda" dos inconformados, adeptos da desordem, da depredação, da violação do sossego, do trabalho e da paz social, mantêm-se a estrutura constitucional do país e a coesão social. 

Quem manda não é o mais forte, o mais violento, o mais brigão. Quem manda é a lei.

Se assim não fosse inexistiria razão para a manutenção de tantos vereadores, deputados estaduais, federais e senadores.

Se assim não fosse não haveria razão para o sustento dos tribunais, juízes, promotores e da estrutura judiciária.  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:06


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.







subscrever feeds