Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O falso testemunho

por Fernando Zocca, em 07.03.14

 

 

 

Os falsos testemunhos, as mentiras deslavadas, são dados e inventadas pelos mais variados motivos. 

A inveja, o ciúmes, a luxuria, a ganância ou a justificação de fatos condenáveis podem levar alguém, a atribuir à outrem, ações criminosas que não cometeu.

Esse tipo de comportamento é hoje conhecido como calúnia e vem previsto no código penal. Além de ser um crime, contra integridade moral da vítima, demonstra a precariedade de quem o pratica. 

Entretanto podemos observar que a pratica dessa maldade não é nova. A maledicência é conhecida desde o tempo dos antigos profetas bíblicos. 

Você, meu arguto leitor, pode encontrar em Reis, especialmente no capítulo 21, aquela passagem em que Nabot de Jezrael, sendo possuidor de uma vinha, perto do palácio do rei Acab, foi vítima do falso testemunho.

Esse rei, desejando adquirir a propriedade de Nabot, procurou-o para comprar dele as terras e as vinhas. 

Entretanto Nabot de Jezrael negou-se a vender a propriedade. Acab ficou muito triste e, prostrado, não quis mais saber de conversa com ninguém. 

Então Jezabel a esposa dele, propondo-se a resolver a situação, escreveu cartas em nome de Acab, selou-as com o nome do rei e as enviou aos cidadãos mais notáveis da cidade.

As cartas mandavam que os seus destinatários fizessem jejum, levassem Nabot até os primeiros bancos do templo e, durante uma cerimônia, deveriam dizer que ele, Nabot, havia amaldiçoado ao rei e a Deus e que, portando, deveria ser apedrejado.

E foi o que aconteceu. Convidaram Nabot a sentar-se nos primeiros lugares do templo e durante a celebração, duas pessoas se aproximaram e, diante de todos, proclamaram que Nabot havia amaldiçoado ao rei e a Deus. 

Em consequência disso, Nabot foi levado para fora da cidade, apedrejado e morreu. 

Jezabel quando soube que seu plano dera certo, disse ao marido que fosse até a vinha desejada e dela tomasse posse.

Você pode notar que a motivação do crime praticado por Jezabel foi a ganância. 

Entretanto muitas outras causas podem levar uma pessoa a caluniar alguém. 

Por exemplo: a prostituta que viveu devassamente boa parte da sua existência, tendo encontrado alguém disposto a lhe garantir a mudança de vida, com a instituição das rotinas do casamento e do lar comum, pode justificar seu comportamento passado, com o suposto crime de abuso sexual, praticado por alguém. 

Entretanto, da mesma forma que Jezabel foi descoberta e punida por sua calúnia, mais cedo ou mais tarde, pode crer meu amigo leitor, todas as mentiras, para a glória da justiça divina, vêm à luz.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:35



Posts recentes