Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Estase

por Fernando Zocca, em 05.12.13


 

 

É muito comum a desqualificação do objeto quando o sujeito, que defende posição oposta, já não tem mais argumentos para justificá-la. 

 

Da mesma forma que a agressão física é o comportamento usual daquele que não dispõe de palavras para sustentar seu ponto de vista, são o menosprezo, e o desdém as atitudes daqueles vencidos nas suas razões.

 

Piracicaba é um polo importantíssimo da agricultura, da indústria, do comércio e também da prestação de serviços. 

 

Nestes últimos encontram-se os que se destinam à educação. Temos na cidade universidades reconhecidas no mundo todo. A Universidade de São Paulo (USP) mantém a ESALQ (Escola Superior de Agricultura Luis de Queiroz); A UNICAMP (Universidade Estadual de Campinas) tem um ótimo curso de odontologia, a UNIMEP (Universidade Metodista de Piracicaba) agrega faculdades como as de jornalismo, direito, psicologia, fisioterapia e dezenas de outras; a Anhanguera possui também uma gama imensa de cursos superiores.

 

Neste princípio de século XXI o Brasil atravessa transformações como a sedimentação da democracia, a possibilidade das manifestações populares livres e legítimas e a consagração do direito da livre expressão do pensamento.

 

É claro que essas características são acompanhadas do adensamento populacional. Ou seja: mais brasileiros nascendo, a vida mais longeva e o consequente desenvolvimento urbano.

 

Entretanto percebe-se que as velocidades dos fenômenos não são as mesmas.

 

Por exemplo: o crescimento populacional é muito mais rápido do que o desenvolvimento das instituições públicas criadas para o seu amparo. 

 

Então postos de saúde que há dez anos antes atendiam determinado número de cidadãos, com uma equipe especializada formada por certo número de profissionais, hoje já não tem condições humanas para desenvolver o mesmo trabalho.

 

Observa-se a estase no setor de saúde, aliás, não só em Piracicaba, mas também em outras regiões do Brasil.

 

Este fato é tão notório, tão importante, que levou o governo federal a contratar profissionais estrangeiros para atuarem no atendimento das populações das cidades mais afastadas dos grandes centros nacionais. 

 

O Ministério da Saúde além deste programa Mais Médicos já implantado no território brasileiro, busca alternativas que minimizem a carência no atendimento especializado.

 

A criação de faculdades de medicina é, sem dúvida nenhuma, o procedimento mais honesto objetivando o suprimento de especialistas na área tissular indispensável ao progresso brasileiro.

 

Entretanto, apesar de todas as evidências das necessidades e da assertividade das providências tomadas pelo governo brasileiro, os do contra, não deixam de menosprezar e desqualificar as soluções apresentadas.

 

E o pior é que não apontam as soluções exequíveis. De que adianta instalações luxuosas, confortáveis e eficientes se não há o elemento humano para quem foram criadas?

 

Postos de saúde equipadíssimos, especialíssimos e supostamente eficientíssimos teriam a mesma importância dos pontos de ônibus por onde não passa ônibus nenhum. 

 

O progresso e o bem estar da população que paga os impostos são muito mais significativos do que qualquer interesse corporativista limitador. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:45

Aprimoramento Moral

por Fernando Zocca, em 23.07.13

 

 

 

 

Vou logo dizendo que não sou monarquista. Que isso fique bem claro, bem explícito.


Entretanto não posso concordar, de jeito nenhum, com a afirmativa de que toda monarquia termina em anarquia. Se assim o fosse, a Inglaterra, a Espanha, o Japão e dezenas de outros países estariam hoje anárquicos.


Queremos crer que os anarquistas teriam por verdadeira a concepção de que se não houvessem as leis, não haveriam também as violações e os apenamentos consequentes.


Mas é inegável que sem o ordenamento legal não haveria ordem, justiça e progresso. Sabemos que a paz é consequência da Justiça.


Sem as regras, as leis, como dizer o que é certo, o que é errado e aplicar, desta forma, a equidade?


A complacência causa a negligência na apuração dos fatos, na aplicação das penas legais e pode agravar, ainda mais o descrédito, tanto do legislativo quanto do judiciário.


É falsa a noção de que a estrutura legal do país seja impeditiva da ascensão social. Milhares de cursos, financiamentos e oportunidades, para todos, vicejam atualmente no cenário brasileiro.


Perceba que esses mecanismos sociais possibilitam a aquisição do conhecimento educacional necessário à melhoria de vida do cidadão.


Se não for com a aplicação das punições previstas nas leis, como mudar a realidade presente em um bairro que via o pai machão, maluco, doido de pinga, que obtinha o respeito da mulher batendo nos filhos, impondo-se asperamente dentro de casa, e que agora vê o filho dele, fanfarrão, querendo manter a simpatia da amásia, e dos enteados, espancando e humilhando os vizinhos?


Baderneiro, irresponsável, que causa dano material e moral a outrem, deve sofrer as penas socioeducativas. Do contrário não poderá o tal cidadão aprimorar-se moralmente, vindo a ser um dia, mais útil a si próprio e aos que o rodeiam.

   

A alegria da patuleia é ver o mundo sem os blogs. É difícil para ela acreditar que isso não seja possível.


Por enquanto não.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:51



Posts recentes