Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



As mãos limpas

por Fernando Zocca, em 09.09.14

 

 

Gafe é aquele "fora" cometido quando o sujeito, ou todos os demais presentes, esperam uma determinada verbalização, mas se expressa outra, involuntária e inesperada. 

Os psicanalistas denominam o fenômeno como "ato falho", explicando que a exteriorização deste, representa a verdadeira expressão da verdade, muita vez oculta por censura.

É o caso, por exemplo, daquele professor que, instado a manifestar-se na sala de reuniões, depois de ter chegado atrasado, começa-a "pulando" grande parte do ritual. 

Na verdade o "mestre" estaria dizendo: "vamos logo com essa situação, que não aguento mais tanta chatice". São os atrasos e os encurtamentos do tempo das reuniões as sinalizações de que ele, o "comandante", gostaria mesmo é de estar fazendo outra coisa em outro lugar.

Talvez o pescar num rancho distante, bebendo pinga, e folheando revistas dirigidas ao público masculino fossem mais acalentadores.

É inegável que essa inadaptação forja a falsidade num grupo. Por exemplo: quando o professor, ou o dirigente da reunião, fala de um dos presentes, aos demais, nomeando-o diversamente, sinaliza que o dirigir-se diretamente à pessoa presente ou falar dela, de forma clara e aberta, não convém aos objetivos da manutenção do engodo. 

A propósito, já escrevi sobre esse assunto e você pode se inteirar lendo REVELANDO SEGREDOS.

Situação semelhante é a do ator que esquece o texto, ou expressa fala diversa da que deveria dizer. 

O estresse, as dores, o desconforto produzem também esse tipo de situação que pode tensionar o restante do grupo.

Perceba que todos esses fatores, o cansaço, a tensão e a ansiedade podem influir decisivamente no sucesso ou fracasso de um primeiro encontro entre duas individualidades.  

A expressão verbal, o tom de voz, e a postura corporal, de uma delas ou de ambas, podem fazer lembrar pessoas ou situações angustiantes, do passado remoto, esmorecendo assim os ânimos.   

Na minha opinião não pode haver nada mais integrador do que as mãos limpas, o coração puro, as conversas constantes e amistosas. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:12

UM BAIRRO QUE REPELE

por Fernando Zocca, em 22.07.11

 

 

                   A Vila Independência, bairro da região leste de Piracicaba é povoado por aproximadamente oitenta mil pessoas.

                    Está compreendido no quadrilátero formado pelas Avenidas Independência, Alberto Vollet Sachs, Carlos Martins Sodero e Pádua Dias.

                    Apesar da grande concentração de moradores, o local não tem praças públicas, casas lotéricas e somente há bem pouco tempo, o governo federal inaugurou uma agência da Caixa Econômica Federal na Avenida Independência 1991.

                    Por outro lado observa-se a existência de muitos estabelecimentos prestadores de serviço que atuam em desacordo com a lei.

                    Oficinas mecânicas, funilarias, bares e pequenos comércios que, por desconhecimento ou mesmo deficiência em suprir as exigências legais, “trabalham” prejudicando vizinhos.

                     A impotência do poder público em reprimir as infrações das normas legais deve-se à fiscalização ineficiente e também à cumplicidade de alguns agentes, que se valem das situações bizarras objetivando dividendos eleitorais.

                    Então, oficinas mecânicas instaladas na garagem das residências, funilarias que, desnudas dos equipamentos necessários para a pintura dos autos, existem às pencas, sem o menor constrangimento legal das tais ditas autoridades civis.

                    Adicionado o analfabetismo, o alcoolismo, as crendices e as superstições a essa situação econômica subdesenvolvida, você tem um bairro que mais repele do que atrai.

                    Definitivamente a Vila Independência não é um local agradável e muito menos seguro pra se morar.

 

  

Mudando de assunto: veja que vídeo interessante sobre pombos de corrida.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:12